quarta-feira, 12 de março de 2014

TAKES


Cachorros e ratos,
pombos e mendigos,
pelejam a céu aberto
pelo lixo orgânico.

De repetentes
a, de repente, reincidentes;
antes fliperamas...
Sem credits, sobram dramas.

Homicídios em 3D
e não é sangue de sachê.
Os meninos antes heróis,
dos meninos são anti-heróis.

Nenêm ninado por arrulhos,
ventres prenhes de entulhos.
A pá compondo a cova
a digerir amor decomposto.

Meninas antes inacessíveis,
ficaram tão perecíveis.
Metais nobres, de quilates,
pesam menos que biscates.

Que adianta derrubar a estátua
e depois, do nada, está a tua?
Içar bandeira contra bandeiras,
Queimando bruxas nas fogueiras?

Na cidade ramificam-se ruas,
no corpo urbanizam-se veias,
veias azuis saltam das véias,
soldados aspiram enfermeiras nuas.